sábado, 4 de dezembro de 2004

Está acontecendo agora... a vida enquanto poesia

Olá, amigos viajantes. Fico contente por saber que estão gostando desta aventura no âmago da palavra. Hoje continuamos a mostrar novas paisagens:

Intermitência

lâmpadas piscam, piscam e piscam...
(più fràgile, più fràgile...)

o mundo não é mais um lugar seguro
um solta um palavrão
toda revolta vem à tona
as ondas
ondas
ondas
vão e vêm

(------------------------------- )
que pouca imaginação...

a crise,
sim, há crise

quando terminará a intermitência?
xxx
O Conselho Roedor

Todos os pequenos ratos reunidos.
Uma suave, mas insistente brisa os incomoda.
Coisas como guimbas de cigarro se movem nos trilhos,
simplesmente...
Algo muito particular,
particular e dramático...
As idéias surgem e são afastadas como crianças inoportunas.
Inércia... repentina e indecisiva.
Somente a brisa
e o silêncio arrasador, por horas e muito mais.
Então, aos poucos vão se recolhendo a seus cantos para dormir
e a brisa sorri.
A Flor do Agora

em algum lugar no mundo um poeta louco redige doidos versos
no mesmo exato momento
uma criança está nascendo junto a uma tímida experança cuja
possibilidade de se realizar não é computada pelos institutos de estatística
algum senhor está indo embora deixando saudade
nos filhos, netos e uma senhora chorosa
clichês, clichês...
neste mesmo exato momento
está sendo feito mais um otário que assina contratos sem os ler
um banco está sendo assaltado
clientes são lesados por banqueiros
pouco importa...
alguém viaja pelo país das maravilhas em pó
um casal troca alianças perante um sacerdote e testemunhas
outro experimenta diferentes formas de amar
amar?
bombas explodem, empresas entram em concordata, um papagaio imita seu dono
uma criança sorri, pétalas caem e um guitarrista troca a corda arrebentada
penny lane está nos ouvidos e nos olhos de alguém
o sol reina, a lua brilha
clichês, eles novamente... horror, horror!!!
beijos apaixonados
aplausos, aplausos
ao mesmo tempo
alguém está vomitando a companhia para longe
estou enojado, e vocês?
outro adquire uma máquina que é a solução de seus problemas
no estúdio algum ator xinga seu diretor
bem baixinho, baixinho...
há um jogo de futebol em algum canto do planeta
dois a zero, espere... dois a um... não, gol anulado, justo agora...
mães aguardam filhos que voltam da escola
tudo acontece... do previsível ao sem precedentes
e você diz que a poesia do mundo acabou
mas alguém sussurra uma prece para seu deus
que seja o deus-de-si-mesmo ou outro... tanto faz...
então tenho a certeza de que algumas sementes por aí brotarão,
contrariando os tais institutos de estatísticas citados anteriomente
está acontecendo agora...
xxx
É, pessoal, espero que tenham apreciado mais um trecho desta viagem (apesar dos ratos... eh eh eh...). Desculpem a demora em postar, mas tive problemas com a máquina. Agora já está tudo nos trilhos novamente. Não abandonem o trem, que ainda há muito a percorrer.
Abraços e beijos!!! Até breve!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

Keep up the good work