quinta-feira, 31 de agosto de 2006

Os tempos de Dylan


Enquanto um novo conto não chega a esta página, fico por aqui, preso a um lançamento musical que julgo essencial para o ano de 2006, até então meio fraco de grandes novidades.

Trata-se de Modern Times, de Bob Dylan. O mestre retorna após Love and Theft, lançado no dia em que as torres gêmeas caíram, portanto, após quase cinco anos. Dylan desfila sua voz rouca entre passarelas feitas de rock, jazz, blues e um tanto de country com a maestria de quem influenciou algumas gerações, o que não é pouco mesmo.

Em Modern Times, o cantor e
compositor nos lembra que nem sempre houve cidades, carros, asfalto, publicidade, poluição, fábricas, multidões engarrafadas em rotinas vazias de sentido, crises e neuroses coletivas.
_
"Tempos Modernos" resume Dylan, 65,
que batizou seu 32º disco de estúdio com o mesmo título do clássico filme de
Charles Chaplin, lançado em 1936, cinco anos antes do próprio compositor nascer.
Dylan se equivale ao cineasta na tentativa de resumir seu século de criação a
partir de seu principal legado, a modernidade.
_
Alexandre Matias, colaboração para a Folha de S. Paulo
30 de agosto de 2006
Enfim, reinventando-se, Dylan lança uma obra-prima... desculpem, amigos, não quero dizer mais nada. Apenas apreciar. Mas, por último, pra quem conhece pouco ou nada de Dylan, indico alguns títulos essenciais. Não é difícil encontrar por aí... eh eh eh!
CDs
The Freewheelin' Bob Dylan (63)
Bringing It All Back Home (65)
Highway 61 Revisited (65)
Blonde on Blonde (66)
Nashville Skyline (69)
Blood on the Tracks (75)
The Bootleg Series # 4: The "Royal Concert Hall" Concert (Live) (98)
_
DVD
No Direction Home - A biografia de Dylan, documentário de Martin Scorsese (2004)

Beijos e abraços! Até breve!

NA MINHA VITROLA: BOB DYLAN - Beyond the Horizon > Nettie Moore.

2 comentários:

dunha disse...

eu tenho love and theft, vou ver se acho esse novo!

Pamela disse...

Bob Dylan,esse é o cara!
Cê já ouviu esse Modern Times? Eu ainda não.
Teoricamente eu tenho uns 10 discos deles (em um cd de mp3) mas ainda não tive tempo de me dedicar à eles. Fico ouvindo só o "Highway 61" e o "Blonde on blonde". Aliás,fantásticos!

Quato ao documentário,sem palavras.
Parece que tá em promoção nas Americanas.

Beijos!