segunda-feira, 27 de junho de 2005

O Jardim que Oferto a Ti

Olá, amigos viajantes!! Aqui estamos, animados com a viagem, depois de o trem quase sair dos trilhos. Mas descobri uma habilidade que eu nem sabia que tinha: a de superar os problemas e seguir de cabeça erguida. Agora, uma pequena poesia quase prosa, uma prosa quase poesia. Claro, dedicada a uma pessoa muito especial. Confiram!!

O Jardim que Oferto a Ti

Como dizer que ama sem parecer ridículo?
Milhares e milhões de manuais não ensinam isto,
Nem te ensinam a lidar com intervenções inesperadas...
Nunca entendi, de verdade, como tudo o que nos permeia neste aspecto
Acaba sendo tão patético, ridículo...
Humano, enfim...
Há um momento em que é preciso ir além
Além da razão
Além do sentimento
Um esforço além do humano
E mesmo assim há o risco de cair na vala comum
Mas escuta, "tu-sabes-bem-quem-és"... lê, melhor dizendo...
Eu não tenho medo de nada disso
Pelo menos não mais...
Se há algo de bom nas dificuldades, é que elas nos colocam contra a parede
E temos de fazer a coisa certa.
E o certo, neste caso, é que te amo.
Por isso, eu te peço...

Cuida bem do jardim que oferto... quero um dia estar contigo ali, descansando da luta!!


NA MINHA VITROLA: Aimee Mann - Dear John > King of the Jailhouse > Goodbye Caroline > Going through the Motions.

Bom, amigos viajantes, não preciso dizer mais nada, é isto!! Beijos e abraços!! Até a próxima!!

Um comentário:

Anônimo disse...

Where did you find it? Interesting read »